Gama quebrou tabu de cinco anos

Foto: Marcelo Gonçalo (BloGama.Net)

Nesta quinta-feira (2) o Gama finalmente convenceu a exigente torcida. Versátil e impiedoso – pelo menos no segundo tempo – o alviverde não se encolheu, massacrou o Paranoá e espantou a crise. A goleada quebrou ainda um tabu indigesto: cinco anos sem uma vitória por mais de 3 gols.

No dia 10 de março de 2012, o Gama enfrentou o Dom Pedro, na Metropolitana. O frágil ‘time dos bombeiros’ não foi páreo para a dupla Paulo Renê e Kelvin, responsáveis por 5 dos 7 gols. Apesar disso aquele ano foi terrível, quando o Gama terminou o Candangão na desprezível quinta colocação.

Esse ‘tabu’ mostra um tempo de reviravolta no Gama. Chega a ser cômico, o ‘pior ano do alviverde’ ficou marcado por uma das maiores goleadas da história do clube. Depois de dois fracassos nos anos seguintes – 2013 e 2014 também em quinto – a história começou a mudar, o Gama consolidou-se e conquistou um título candango, que não vinha há 12 anos, não com um time potente no ataque, mas bem organizado defensivamente.

Pode se dizer que tudo começou com a volta do Pedrão. Firme defensivamente, além do seu prestígio com a torcida, o zagueiro Pedrão é uma das principais referências no alviverde há quase três anos. Não só ele, claro, parceiros que estiveram na zaga nesse tempo, como Gustavo e João Paulo, além dos volantes e laterais, determinantes para que nos últimos dois campeonatos o Gama tivesse a defesa menos vazada.

Resta saber qual será o ‘estilo’ do Gama daqui para frente. O jogo contra o Paranoá foi atípico para o que vinha sendo mostrado, a goleada refletiu a noite inspirada de Roberto Pitio e dos jogadores que entraram no segundo tempo – Felipe Assis, Alvinho e Rafael Carletti. Provavelmente as mudanças virão, essa incógnita fica para o ‘velho’.

Comentários

comentarios