Robston: “Estou voltando para dar volta olímpica com a camisa do Gama”

Revelado no Gama, Robston é a principal aposta alviverde para o Candangão de 2018

O Gama apostará em uma solução caseira para o Candangão de 2018, uma mescla de jogadores da base e outros desconhecidos da torcida alviverde, mas não é só isso, para dar mais experiência a esse grupo virão atletas experientes, como o volante Robston – velho conhecido do torcedor gamense.

Em 1999, o volante Robston iniciava a sua carreira no futebol profissional pelo Gama. Foram três anos vestindo a camisa alviverde, se destacando no cenário nacional. Hoje, 15 anos após sua conturbada saída, Robston voltará a vestir a camisa do clube em que foi revelado, com a ambição de recolocar o Gama no cenário nacional.

Com o alviverde, Robston foi campeão candango candango em 2001. Quando saiu do Gama, Robston jogou a Série A pelo arquirrival Brasiliense e em seguida migrou para o futebol goiano, onde fez grandes atuações pelo Atlético-GO e se tornou ídolo do Vila Nova.  O volante chegou a atuar por grandes clubes do Brasil, como Botafogo e Atlético-PR.

– Na época, um amigo meu me chamou para fazer o teste no Gama, já tinha feito outros testes no Vasco, Corinthians e não passei, por isso prometi a mim mesmo que seria minha última tentativa e graças a Deus o Gama abriu essa porta e tive boas lembranças, jogando Série A, conquistando título.

 

A polêmica saída do Gama em 2003

Última imagem de Robston com a camisa do Gama em uma partida oficial

No dia 2 de fevereiro de 2002, em partida contra o Goiás, pela Copa Centro-Oeste, Robston lesionou o joelho esquerdo – aquela seria sua última partida com a camisa do Gama. Após uma cirurgia mal-sucedida com o médico do Gama, Dr. Walter Ríos, o volante foi “abandonado” e começou o seu drama. Foram 11 meses até que o jogador refizesse a cirurgia com o Dr. Paulo Lobo, que prestava serviços ao Brasiliense, com os custos bancados por Luiz Estevão – inclusive a fisioterapia. Depois de batalhas judiciais, Robston conseguiu rescindir seu contrato, onde alegava erro médico e teve seu contrato com o Gama rescindido, indo para o Brasiliense.

– Foi uma época de bastante dificuldade, eu fiquei sem receber, tive filho e pensei em parar, não tinha dinheiro para fazer alimentação, mas tive ajuda de algumas pessoas de lá do Gama, como o Edvan Aires. Alguns jogadores me ajudaram, o Nen me dava carona, o Rodriguinho foi como um irmão para mim, a família dele me abraçou, fazia minhas refeições lá, inclusive já dormi lá muitas vezes porque não tinha dinheiro da passagem.

Para muitos, a volta do jogador surpreende, por causa da polêmica de sua saída, mas ele revela não ter mágoas com o clube.

– Não guardo rancor, agora que eu estou voltando a torcida pode ter certeza que a mesma vontade que eu tive em todos os clubes que passei, agora no Gama, o clube que me revelou, ela será muito maior por tudo que vivi dentro do clube.

 

Expectativa para 2018

O jogador revelou que o principal motivo de sua volta ao Gama foi a ambição de conquistar um Candangão novamente e recolocar o clube no cenário nacional. Para Robston, o elenco de jogadores jovens com uma mescla de experiência pode ser um diferencial para conquistar o título candango.

– Vi que está sendo formado uma equipe jovem, com jogadores querendo vencer e alguns experientes, se Deus quiser vai dar certo e vamos conquistar esse título.

O jogador relembrou o seu título candango, em 2001, como motivação para o Candangão de 2018.

– Em 2001 fui campeão com o Gama em cima do Brasiliense, demos volta olímpica lá no Serejão e essa imagem está marcada, estou voltando para dar novamente volta olímpica com a camisa do Gama.

 

Comentários

comentarios